Blog

Perdas na produção: conheça as causas e saiba como evitar

ERP 17.12.2020 3 minutos de leitura Voltar
Perdas na produção

As perdas na produção são um inconveniente sempre presente nas empresas. É praticamente impossível qualquer negócio ser 100% eficiente, por uma série de fatores. Mas é possível ― e necessário ― buscar mudanças de atitudes e procedimentos para reduzir os prejuízos e garantir o máximo de eficiência possível e implantar uma cultura de aprendizado constante.

Neste artigo, vamos listar algumas razões para ocorrerem perdas na produção e ainda indicar ações capazes de resolver esses problemas. Ao longo dos tópicos, você vai entender como iniciativas totalmente acessíveis podem provocar um efeito positivo em benefício dos resultados.

Os 5 motivos para ocorrerem perdas na produção e como resolvê-los

As perdas na produção não acontecem apenas durante a manufatura dos produtos, não! Vários setores contribuem para que os erros aconteçam, desde o administrativo até a logística e estoque. A seguir, vamos entender por que isso acontece. Acompanhe!

Falha 1 – Falta de planejamento

A falta de planejamento ocasiona diversas perdas na produção. Afinal, é no planejamento que se estabelece a padronização dos procedimentos. Quando esse trabalho não é bem feito, todos os erros que listamos em seguida acontecem. É evidente que planejar não significa estar livre de situações adversas, mas é algo que elimina a maioria dos incômodos.

Para tanto, o primeiro passo é ter uma base de dados confiável para entender como os diversos departamentos da empresa estão funcionando. Com informações precisas, é possível tomar decisões assertivas e inteligentes para resolver os gargalos. Mesmo as paradas para manutenção precisam ser feitas com base em critérios que evitem prejuízos na produção. Para não ter erros em todas essas etapas, é fundamental contar com um bom ERP.

ERP na indústria

Falha 2 – Produção em excesso

Este problema tem relação direta com a falta de planejamento e também com outras funções administrativas, como compras e vendas, gerando um efeito cascata negativo sobre o estoque. Isso porque, se há superprodução, está se fabricando mais do que se vende ou comprando mais insumos do que efetivamente a demanda pede. Como consequência, acumulam-se produtos acabados no estoque, o que consome recursos e diminui o valor agregado da mercadoria.

Para resolver este aspecto, é preciso haver um alinhamento preciso entre compras e vendas, além de um bom controle produtivo para que a manufatura atenda a uma demanda real. Isso, inclusive, gera outros pontos de economia para além dos ganhos com esses ajustes. Se houver necessidade de reduzir a velocidade de produção, pode-se enxugar a mão de obra, por exemplo.

Falha 3 – Erros na produção

Produtos fora dos padrões de qualidade, com mau desempenho, com rebarbas ou feitos incorretamente podem acontecer por diversos fatores: erro humano, má calibragem das máquinas, falhas na determinação de padrões produtivos, entre muitas outras razões. O fato é que a situação não é atípica, mas merece ser evitada.

Em muitas empresas, a saída para evitar que esses erros causem perdas de materiais é montar um setor com função corretiva, mas esta não é uma iniciativa interessante. O ideal é refinar os processos, realizar manutenções preventivas nos equipamentos (e não apenas corretivas) e capacitar os colaboradores com o objetivo de frear a necessidade de refações e também para que sejam mantidos os mais altos padrões como consequência de um trabalho atento e metódico.

Os líderes de setor têm papel central nessa conscientização. Um bom sistema de gestão também é crucial neste trabalho por permitir a verificação em tempo real do trabalho no chão de fábrica, permitindo correções pontuais e a verificação de qual etapa está levando a essas perdas na produção.

Falha 4 – Logística deficitária

Quando falamos em problemas logísticos estamos nos referindo também à organização das etapas dentro da empresa. Se o layout não favorece o fluxo contínuo das rotinas, exigindo movimentações desnecessárias dos colaboradores na planta, dificultando a comunicação entre dois setores que dependem um do outro ou provocando deslocamentos de insumos de maneira desordenada, isso interfere na produtividade dos funcionários.

Para fora dos muros da empresa, a logística precisa ser bem administrada para que a entrega aos clientes seja feita com agilidade e segurança. O planejamento de rotas também precisa ser bem desenvolvido para não haver perda de recursos com enfrentamento de períodos congestionados. Por essas duas questões, internas e externas, um olhar mais crítico ao processo logístico é capaz de trazer ganhos ao negócio.

Assim, reorganizar o layout da empresa pode dar mais fluidez aos processos e a adoção de novas práticas logísticas para atendimento aos clientes tem o potencial de assegurar mais satisfação a eles e economia ao seu caixa.

Falha 5 – Ausência de prevenção aos riscos

Prevenir riscos envolve várias questões. Nós já falamos aqui a respeito das manutenções, que precisam ser preventivas e não corretivas, e que devem ser planejadas para não interferir na produção. Mas também existem os riscos laborais, que têm relação com a saúde e segurança dos trabalhadores. Um acidente ou incidente, por exemplo, interfere negativamente de diversas maneiras no rendimento da produção. Por isso, ter uma CIPA é fundamental.

Há ainda os riscos relativos ao negócio da empresa: problemas com fornecedores, crises, perda de demanda, entre outras situações. Para evitá-los, o planejamento, citado lá no primeiro tópico, é fundamental. Ele envolve a questão estratégica, orçamentária e uma administração competente do capital de giro.

Evitar perdas deve ser uma cultura corporativa

Como vimos, grande parte das perdas na produção estão ligadas à falta de atenção, cuidado, rigor profissional e planejamento. Portanto, adotar uma postura de comprometimento, preocupação com os resultados e conscientização sobre os prejuízos que essas falhas causam é algo que precisa ser incentivado. O sentimento de pertencimento, para o bem e para o mal, contribui para que os colaboradores tenham uma postura mais crítica sobre os resultados.

Naturalmente que, para gerenciar tudo isso, é preciso ter dados e embasamento. É por isso que um software ERP, que citamos lá no primeiro capítulo, é tão necessário. Aqui na Brasão Sistemas, nós temos uma solução excelente e totalmente adaptável às necessidades do seu negócio. Entre em contato com a gente e saiba mais! Se preferir, ou se tiver alguma dúvida sobre as informações deste artigo, você pode deixar o seu comentário no espaço abaixo.

ERP na indústria

Deixe seu comentário

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.