Blog

Saiba como implantar um sistema de gestão da qualidade na sua indústria

Gestão Industrial 14.11.2017 5 minutos de leitura Voltar

A gestão da qualidade é um trabalho que envolve muitas pessoas e é realizado por diversas razões em uma indústria. Em relação às pessoas, exige integração e participação geral das equipes, incentivando todos a trabalharem unidos por um objetivo em comum. É preciso que os colaboradores adotem um posicionamento de liderança e que os próprios líderes, efetivamente, assumam o seu papel de motivadores na busca pelas melhores práticas. E quanto às razões, a principal delas, certamente, é o respeito às conformidades, o reconhecimento por trabalhar dentro dos padrões impostos — como aqueles que regem certificações como a ISO — e, consequentemente, o alcance da eficácia dos produtos manufaturados.

A sintonia entre os colaboradores e os diversos setores da empresa é o primeiro passo para a estruturação de um sistema de gestão da qualidade (SGQ). Ela permite a aplicação de todos os itens capazes de fazer esse sistema funcionar. Contudo, para reunir as pessoas em um objetivo comum, antes é primordial definir políticas que assegurem a exclusividade do que é produzido. É com base nelas que todos os trabalhos serão guiados, garantindo que, por meio de indicativos pré-concebidos, entenda-se de que forma se deve agir e trabalhar.

Assim, o primeiro movimento é atentar-se aos fornecedores de matéria-prima, para desenvolver um relacionamento comercial baseado nos requisitos pré-determinados na política de qualidade. Essa etapa é importante para garantir a qualidade do que é fabricado, afinal, a procedência dos insumos é parte essencial da eficácia dos seus produtos. Quer dizer, aqui estamos tratando do que está no almoxarifado e que vai impactar diretamente na produção.

Esta, aliás, é uma outra fase que merece atenção redobrada e muito cuidado, porque é aqui que os seus processos e o seu diferencial serão construídos. É na produção que o maquinário e a infraestrutura que torna os processos possíveis — como os laboratórios, escritórios e demais ambientes — vão contribuir para o resultado final.

Neste caminho, tudo precisa ser administrado e desenvolvido com bastante critério e seguindo a política de qualidade elaborada. Ou seja, é necessário que se tenham as melhores condições para os colaboradores executarem suas atividades com perícia e eficiência, sem improvisos ou atrasos. As manutenções, por exemplo, precisam ser programadas e constantes — como forma de garantir a produtividade sem ser necessário interromper a produção ou, até mesmo, interrompê-la por consequência de falhas — e os processos precisam ser criados com foco na sustentabilidade do trabalho, na agilidade e na praticidade para todos.

A parte final é a entrega do produto ao cliente ou ao ponto de venda. Dessa maneira, a logística também precisa ser tratada com atenção, para que não ocorram atrasos depois de vários processos que foram cuidadosamente elaborados com o objetivo de que isso não acontecesse. Até porque não se pode estragar tudo o que foi construído na hora da entrega, não é mesmo?

Mas se você está achando que é um pouco subjetivo desenvolver uma política e, em seguida, cuidar em cada etapa da produção de algo para garantir a qualidade, então chegou a hora de apresentarmos o que vai tornar tudo isso possível. Siga com a gente que vamos explicar!

Um sistema de gestão da qualidade precisa da tecnologia para funcionar

Como dissemos, a gestão da qualidade depende de integração, das equipes trabalharem em harmonia. E isso só vai ser possível se, além de engajamento, também houver informação. Melhor dizendo: se um souber o que o outro está fazendo e em qual fase do trabalho o colega está atuando. Conseguir essas informações com precisão só será possível com a adoção de um sistema ERP.

Com uma solução desse tipo, as tomadas de decisões serão baseadas em fatos, porque o software fornece dados em tempo real para avaliar a produtividade e o andamento de cada processo. Assim, o planejamento fica mais facilitado, evitam-se atrasos e desperdícios, melhora-se a qualidade e, por consequência, o cliente fica mais satisfeito com o que recebe, tanto no que diz respeito ao cumprimento dos prazos quanto à eficácia do produto.

Um ERP também permite a aplicação da política de qualidade com mais atenção para que tudo seja monitorado qualitativamente, já que o acompanhamento é mais próximo e preciso. Daí basta apenas garantir a qualificação constante de todos os colaboradores, começando com os gestores e líderes, para que a política possa ser efetivamente cumprida.

Além dessa integração, que é ao mesmo tempo uma necessidade e um benefício para efetivar um sistema de gestão da qualidade, a redução de erros em qualquer fase da produção — do planejamento ao pós-venda — é outra vantagem importante. Assim, utilizam-se melhor os recursos, o que diminui desperdícios de matéria-prima, tempo, trabalho (ou retrabalhos) e dinheiro.

Com tanta atenção nos processos, a visão dos clientes a respeito do seu produto também melhora, o que garante mais segurança e facilita a abertura de mercados. Este fato leva, é claro, à conquista de mais clientes e ao aumento do faturamento. E isso não será um problema, já que, com os processos alinhados dentro de um critério bem específico, a produtividade é maior, o que aumenta a capacidade da sua indústria de atender a uma demanda também maior.

Bom, ainda falta dizer como elaborar essa política de qualidade. Para começar, um dos referenciais são as próprias normas de qualidade definidas pela ABNT e para obtenção da ISO. Mesmo que a sua empresa não tenha a intenção formal de conquistar uma certificação — o que, apesar de tudo, seria muito relevante para agregar valor à sua marca — a observação das indicações desses órgãos facilita na padronização de processos com base em critérios internacionais capazes de conferir qualidade e confiança no que você faz. Em resumo, o caminho é observar os princípios nos quais o SQG se baseia:

  • Foco no cliente: Trabalho pensado para garantir o atendimento às necessidades e expectativas dos seus clientes.
  • Liderança proativa: Como dissemos, os líderes têm papel vital na implementação do SQG. Porém, o espírito de liderança deve existir em todos os colaboradores.
  • Envolvimento dos profissionais: A empresa por completo precisa estar focada no respeito às políticas estabelecidas. Trabalhando em conjunto, é possível garantir a excelência.
  • Melhoria contínua: Não basta fazer corretamente. É preciso melhorar sempre, produtos e processos. Este é o ponto de partida para a inovação e o que vai garantir o seu diferencial.
  • Decisão baseada em fatos: Analisar dados e indicadores é fundamental para garantir decisões mais confiáveis e lógicas, livres de intuições e palpites.
  • Boa relação com os fornecedores: É a partir deles que começa a definição dos critérios de qualidade que impactam o seu produto. Por isso este tópico é tão importante.
  • Gerenciamento por processos: Para seguir as estratégias traçadas, é preciso conhecer os recursos, compreender os processos e identificar e tratar as causas das não-conformidades.

Diante de tudo isso, nada melhor do que preparar a sua indústria para ser avaliada positivamente pelo mercado e ter produtos e atendimento reconhecidos pela excelência, não é mesmo? Então, implante agora mesmo um sistema capaz de auxiliá-lo nesses desafios. Nós, da Brasão Sistemas, estamos aqui para ser seus parceiros nesta conquista. Conte conosco!

Deixe seu comentário

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.